ADVOCACIA EMPRESARIAL E PESSOAL - Desde 1992 * 25 anos de experiência e tradição
Atuamos nas áreas Cível; Trabalhista e Direito do Consumidor
Quer integrar a nossa equipe? Clique na aba Trabalhe Conosco
Deseja uma consulta a distância? Clique em Atendimento virtual
Síndico : Cobre de volta os últimos 10 anos de tudo que pagou a mais à CEDAE
Domingo
23 de Setembro de 2018 - 

Controle de Processos

insira o seu nome de usuário e sua senha cadastrados. Caso ainda não tenha cadastro, entre em contato conosco

Notícias

DECISÃO: Concedida aposentadoria especial a trocador de ônibus submetido a ruído acima dos limites permitidos em lei

A 1ª Turma do TRF 1ª Região determinou que o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) considere como especial os períodos compreendidos entre 02/02/1981 a 13/07/1982 e 03/12/1998 a 04/12/2002, em que o autor trabalhou como trocador de ônibus, e que lhe conceda o benefício de aposentadoria especial. A aposentadoria especial é devida ao segurado que trabalhar sujeito a condições especiais que prejudiquem a saúde ou a integridade física durante 15, 20 ou 25 anos, nos termos da Lei 8.213/91. Na apelação, a autarquia previdenciária sustenta que não há nos autos qualquer comprovação de que o autor esteve exposto ao agente nocivo de forma permanente, não habitual e não intermitente. Acrescentou que a documentação apresentada não demonstra de forma cabal sua submissão aos agentes prejudiciais que dariam direito à contagem de seu tempo de serviço. Por fim, argumentou que o uso de equipamento de proteção inpidual fornecido pelos empregadores afasta o caráter insalubre e/ou o período de labor realizado pelo autor. O relator, juiz federal convocado Eduardo Morais da Rocha, rejeitou a tese defendida pelo INSS. Em seu voto, ele citou jurisprudência do Supremo Tribunal Federal (STF) no sentido de que “o simples fornecimento de equipamentos de proteção inpidual não ilide a insalubridade ou periculosidade da atividade exercida, notadamente em relação ao agente agressivo ruído”. Ainda de acordo com o magistrado, o tempo de serviço especial do autor foi demonstrado pelo enquadramento profissional (função de trocador de ônibus) ou por laudos técnicos, que apontaram a submissão do segurado a ruído acima dos níveis de tolerância em atividade permanente, habitual e não intermitente. A decisão foi unânime. Processo nº: 0005110-91.2015.4.01.3814/MG Decisão: 6/12/2017 JC Assessoria de Comunicação Social Tribunal Regional Federal da 1ª Região
13/03/2018 (00:00)
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.